II – Realidades Traumatismo Crânio Encefálico Ligeiro (TCE)

  1. O conforto que te mantêm equilibrado é-te repentinamente retirado

Para explicar melhor o que é um Traumatismo Crânio Encefálico (TCE), vamos utilizar uma analogia:
Pensa na tua cabeça como a cave de tua casa.
Imagina que lá fora está a formar-se uma tempestade enorme e de repente, um raio estraga as paredes externas da casa.
Pense nesse raio como uma “pancada”.
Com essa “pancada” começam a aparecer rachaduras nas paredes, a água começa rapidamente a escorrer e a cave começa a inundar.
Para remediar este problema, precisarias de bombear água e reparar as paredes certo?

Uma lesão cerebral traumática (TCE) funciona de forma semelhante. Quando tens um golpe na cabeça, as paredes do teu cérebro ficam danificadas permitindo um aumento de cálcio nas células nervosas. Então, o teu cérebro precisa de remover esse excesso de cálcio e reparar a rachadura nas suas paredes. Mas para fazer isso ele precisa limitar a sua atividade.

Isso significa remover praticamente qualquer coisa e/ou tudo o que poderá estimular o teu cérebro. A todo momento há até 2.000.000 bits de dados no teu ambiente que a tua mente recebe – desde sons, imagens, temperatura, luz, e todas as diferentes formas de comunicação à tua volta. O cérebro não pode recuperar corretamente enquanto simultaneamente processa esse volume de informação. Não consegue. E porquê?
Porque como está lesionado ficou com uma capacidade reduzida para processar em simultâneo todos os factos.
Ficarias surpreendido se soubesses o quanto esforço cognitivo é necessário para ter uma conversa simples.
Assim, até o tempo com os amigos e familiares se torna limitado podendo levar ao isolamento total….durante semanas, meses e até anos.

Olhar para uma luz brilhante torna-se uma tarefa difícil, assim como ler, ver televisão, filmes ou qualquer coisa que envolva tecnologia. O dia a dia deixa de ser o mesmo.

Com pouco ou nada para fazer, o humor vai começar a ficar extremamente alterado.

E este conjunto de sintomas está hoje bem demonstrado que tem uma base muito orgânica ( decorrente das lesões cerebrais) do que psíquica.

E assim começa o terceiro ponto.